19. maio 2016 · Comentários desativados em O caminho inverso: estrangeiro fazendo carreira no Brasil · Categories: Gestão de Carreira · Tags: , , ,

Os passos para trabalhar no exterior são de conhecimento de todos brasileiros que sonham com essa aventura, mas para um estrangeiro fazer carreira no Brasil o caminho não é muito conhecido e nem tão fácil como se imagina. O Ministério do Trabalho brasileiro concede diversos tipos de autorizações de trabalho, entretanto, são duas as formas mais utilizadas. Uma é a autorização de trabalho temporária de dois anos com contrato de trabalho, podendo ser prorrogado uma vez, e a outra é a autorização de trabalho temporária para técnicos estrangeiros, com validade de um ano.Uma análise resumida demonstra que dificultar a entrada de trabalhadores estrangeiros é a postura atual do país. Essa trajetória inversa, de um estrangeiro buscando trabalho no Brasil, faz parte da carreira profissional do venezuelano Melvyn McIntyre. Hoje, com 38 anos, ele já completou um ano de trabalho no Bourbon Hoteis e Resort, em Foz do Iguaçu, no Paraná. Mas até chegar lá, o caminho foi longo e turbulento.

18b93a1[1]-2

Assim como muitos brasileiros o venezuelano Melvyn foi em busca do sonho americano. A única diferença é que a atração principal que o levou aos EUA era o baseball e não o futebol. Com uma bolsa de estudos e um time para jogar tornou-se Bacharel em Gestão Hoteleira na Universidade Internacional da Flórida, em 2001. Trabalhos informais foram lhe mantendo em solo americano até a marcante data do atentado de 11 de setembro, dia em que Melvyn assinaria seu primeiro contrato. “Foi um início marcante. Devido aos acontecimentos o contrato foi deixado para outra data que nunca chegou porque o turismo praticamente parou naquela época em que foi o início de uma crise.”, lembra Melvyn.

 

Ele decidiu então se aperfeiçoar fazendo uma Pós-Graduação em Gerenciamento de Hotel na Universidade de Girona, na Espanha (2001 – 2002). Na Europa pode trabalhar em um hotel e residia a 40 Km de Barcelona. Na região da Catalunha fez dois cursos importantes para sua carreira: CRASE Gerenciamento por Michael R. Nowlis e Operações de Restaurante por Albert Gelpi na Universidade de Girona. “A experiência foi excelente, de primeiro mundo, e se tem alguma coisa que me arrependo é ter voltado pra América. Esse retorno, procuro não incluir no currículo porque não me adaptei ao norte dos Estados Unidos, em Ohio, onde fiquei por cerca de um ano”, desabafa. Decidiu então traçar um novo destino e retornou para Venezuela.

 

Em 2005, Melvyn teve o que considera uma das melhores experiências profissionais trabalhando no Hard Rock Café, na Ilha Margarita, na Venezuela. Atuou como gerente de operações até 2007, inclusive na implantação do empreendimento, assumindo o papel de incorporar na equipe a alma do negócio e os padrões de serviços.

 

Depois, ainda na Ilha Margarita, atuou como Gerente do Departamento de Alimentos e Bebidas do Lidotel Hotel Boutique e na implantação e abertura de estruturas de alimentos e bebidas do Marina Kids, um parque infantil de 18 mil metros quadrados como gerente de operações.

 

No Brasil

 

A primeira vez no Brasil aconteceu em 2008, quando esteve em São Paulo com a esposa brasileira. Na busca por um trabalho, soube que, na época, era necessário comprovar 18 meses de residência para começar a trabalhar. Como sua primeira filha chegaria em poucos meses e as despesas iriam aumentar, deixou a esposa no Brasil e retornou à terra natal para preparar a chegada da família com certa segurança e estabilidade econômica. Logo, conseguiu uma oportunidade para atuar como Gerente do Departamento de Alimentos e Bebidas no Curaçao Marriott Beach Resort e Emerald Casino, nas Antilhas Holandesas, onde ficou de 2010 a 2012.

 

Em seguida, trabalhou no empreendimento de sua família na área gastronômica, o Grupo Pizza Mía. Lá, pode colocar em prática o que absorveu nos cursos na América do Norte e Europa. Foi Gerente de Operações dos 18 restaurantes da rede, com oito supervisores e, indiretamente, trabalhou na gestão de 200 profissionais até o ano de 2014. Nesse período, sua segunda filha nasceu e juntamente com a família decidiram traçar novas oportunidades. Foi quando lembrou que um amigo havia lhe indicado a QI Profissional, empresa brasileira especializada em orientar e acompanhar a carreira de profissionais na área de Hotelaria e Gastronomia. Conheceu os diretores da QI e, atualmente, já trabalha há mais de um ano no Brasil.

 

Poliglota, sendo o espanhol a língua materna, inglês fluente e aprendendo cada dia mais português. Hoje vive com a família numa área do Bourbon Hoteis e Resort, hotel que trabalha e pode usufruir do espaço. O baseball ficou para trás e atualmente pratica corrida. “Estou feliz em Foz do Iguaçú, foi aqui que encontrei estabilidade. Mas vejo que está chegando ao fim o ciclo de gerências operacionais e de Alimentos e Bebidas. Desejo ocupar o cargo de gerente geral. Hoteleiro não pode se apegar a lugar. Onde minhas filhas puderem crescer, esta será minha casa. E , se possível, na Europa,” fala Melvyn sobre suas expectativas para o futuro.

Comments closed.